sexta-feira, 27 de março de 2015

Há mais um golfinho-roaz a nadar no Sado


Chama-se Sapal e é um recém-nascido, tanto que ainda tem a barbatana dorsal dobrada, depois dos 12 meses passados no útero da mãe. O novo membro da população de golfinhos-roazes do Sado, que conta agora com 28 elementos, foi avistado pela primeira vez nesta quarta-feira à tarde.

Como nos primeiros meses de vida as crias são protegidas em simultâneo pelas várias fêmeas adultas do grupo, ainda não se sabe quem é a mãe, explica o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), em comunicado. O Sapal foi visto a nadar em frente a uma das embarcações licenciadas para a observação de cetáceos no Sado.

Este instituto lembra que as primeiras semanas são cruciais para a sobrevivência dos golfinhos, pelo que “não é desejável que um grande número de embarcações permaneça nas proximidades do grupo”. O ICNF avisa que as observações de cetáceos, uma das actividades que atrai os turistas ao Sado, na região de Setúbal, devem ser dirigidas a outros roazes nos próximos tempos.

O Sapal, assim baptizado pelos participantes de um concurso lançado pelo ICNF, é o elemento mais novo da população de roazes [Tursiops truncatos] do estuário, a única residente no país. Em 2012 nasceram outras duas crias, a Serrote e o Ácala. Actualmente existem ali 28 roazes, mas chegaram a ser cerca de 50, há duas décadas.

No ano passado desapareceu o Arpão, um dos animais mais velhos do grupo (estima-se que tivesse pelo menos 40 anos). “Nos últimos avistamentos estava quase sempre sozinho e nadava com alguma lentidão”, pelo que não se exclui a possibilidade de ter morrido, admite o ICNF. O Bocage, um juvenil nascido em 2005, também deixou de ser avistado. “É possível que tenha emigrado, situação normal em roazes residentes”, lê-se na nota.

Durante os próximos tempos, o ICNF pede às empresas marítimo-turísticas e aos particulares que respeitem com mais cautela as regras relativas à observação de cetáceos. Por exemplo, manter uma distância de 30 metros em relação ao grupo de golfinhos mais próximo, não ficar mais do que 30 minutos junto ao grupo e não exceder a sua velocidade de deslocação.

Noticia retirada daqui

quarta-feira, 25 de março de 2015

Golfinhos-roazes chamam-se uns aos outros pelo nome


Um grupo de investigadores da universidade escocesa de St. Andrews analisou os sons emitidos pelos golfinhos roazes e concluiu que estes se chamam uns aos outros pelo “nome”. Estes animais são, ao que parece, os únicos mamíferos não-humanos a usar sons individuais para comunicar com cada um dos membros do grupo.

O estudo, publicado nesta segunda-feira na revista Proceedings of the National Academy Scientes (PNAS), conclui que os golfinhos respondem quando ouvem o seu próprio assobio reproduzido. “Os animais não respondem a assobios que não sejam a sua própria assinatura”, lê-se no resumo publicado na página de Internet da revista.

Já se acreditava que os golfinhos utilizavam sons distintos para se identificarem e que aprendiam a imitar os sons pouco habituais, de uma forma semelhante aos nomes utilizados pelos humanos. Mas esta é a primeira vez que se estuda a resposta dos animais ao seu próprio “nome”.

Para a investigação, os cientistas gravaram os sons produzidos por um grupo de golfinhos roazes (Tursiops truncatus) selvagens e captaram o som que identificava cada um dos animais. Em seguida, reproduziram os sons usando altifalantes subaquáticos, misturando também assobios identificativos de populações diferentes. Perceberam que cada animal só respondia ao seu próprio assobio, imitando-o.

Os investigadores afirmam que esta capacidade, tipicamente humana, deverá ter sido desenvolvida para ajudar os animais a manterem-se unidos no seu vasto habitat aquático.

“Na maior parte do tempo, eles não se vêem, nem conseguem usar o olfacto debaixo de água, sendo que este é um sentido muito importante para se reconhecerem”, explicou ao jornal espanhol El País o investigador Vincent Janik, da unidade de investigação de mamíferos marinhos da universidade de St. Andrews ."Os golfinhos também não costumam ficar num local específico, pelo que não têm tocas nem ninhos onde regressar", lembrou. Daí que utilizem os sons para se chamarem e se reconhecerem dentro de água.

Noticia retirada daqui

segunda-feira, 23 de março de 2015

Lula gigante filmada pela primeira vez no seu meio natural



Cientistas japoneses filmaram pela primeira vez uma lula gigante viva no seu habitat natural, a centenas de metros de profundidade.

As imagens foram captadas a 10 de Julho passado, mas anunciadas esta segunda-feira pela rede japonesa de televisão NHK, num projecto em conjunto com o Discovery Channel e o Museu Nacional de Ciência e Natureza do Japão.

O animal foi localizado a 630 metros de profundidade, a partir de um submersível com três tripulantes a bordo, ao largo da ilha de Chichijima, que cerca de 1000 quilómetros a sul de Tóquio.

O corpo da lula tinha aproximadamente três metros. Faltavam-lhe os dois tentáculos principais, mas os cientistas estimam que o comprimento total do animal seria de oito metros. Seguida pelo submersível até 900 metros de profundidade, a lula acabou por desaparecer no fundo do mar.


“Brilhava, era muito bonita. Fiquei muito emocionado, quando a vi com os meus olhos”, afirma o zoólogo Tsunemi Kubodera, do Museu Nacional de Ciência e Natureza, citado pela agência de notícias AFP. “Investigadores de todo o mundo já tinham tentado filmar este animal no seu meio natural, mas até agora em vão”, completou.

Em 2004, Kubodera já tinha liderado uma equipa que conseguiu fotografar pela primeira vez uma lula gigante no seu habitat, também próximo da ilha de Chichijima, onde aqueles animais são procurados por cachalotes como alimento. Dois anos depois, os cientistas capturaram pela primeira vez uma lula gigante viva, filmando-a à superfície da água. Agora, surgem as primeiras imagens em vídeo do animal no fundo do mar.

“Com este documento, esperamos aprender mais sobre a vida desta espécie, que permanece como um mistério até hoje”, disse Tsunemi Kubodera.

http://www.publico.pt

sábado, 21 de março de 2015

Rã voadora identificada no Vietname



Uma nova espécie de rãs voadoras que pairam e saltam no ar foi descoberta perto da cidade Ho Chi Minh (antiga Saigão), a maior cidade do Vietname.

Jodi Rowley, uma bióloga australiana, e colegas vietnamitas, analisaram duas áreas florestais a menos de 90 quilómetros da cidade de sete milhões de habitantes. Estas florestas são atravessadas todos os dias por agricultores e por búfalos-asiáticos.

“E… lá, num tronco, ao lado de um caminho, estava uma rã enorme e verde”, disse Jodi Rowley, especialista em anfíbios, que trabalha no Museu Australiano. “Para descobrir uma nova espécie de rã, normalmente tenho de escalar uma montanha, subir uma queda de água e atravessar uma floresta tropical densa e espinhosa”, disse, citada pela agência Reuters.

Este animal de dez centímetros, verde e com a barriga branca, manteve-se escondido dos cientistas porque andava a voar entre o topo das árvores com 20 metros de altura. A rã só vem ao solo para se reproduzir nas poças de água.

A espécie, Rhacophorus helenae, tinha sido encontrada em 2009, mas só agora é que se compreendeu que era um novo anfíbio. O seu habitat está ameaçado. As duas áreas de floresta estudadas estão rodeadas por terrenos agrícolas e campos de arroz. “Não fazemos ideia do que ainda existe nesta parte do mundo”, disse a bióloga.

O nome comum da rã ficou, em inglês, Helen’s Tree Frog, qualquer coisa como a rã-arborícola-de-helena e é uma espécie de agradecimento à mãe da bióloga, chamada Helen, que tem cancro nos ovários. “Pensei que seria a altura apropriada para lhe mostrar a gratidão que tenho por tudo o que fez por mim”, contou Jodi Rowley.

http://www.publico.pt/

quinta-feira, 19 de março de 2015

Dragões pré-históricos


As libélulas de Portugal estão por explorar
Surgiram na Terra há cerca de 300 milhões de anos. Assistiram ao reinado dos dinossauros e à sua enigmática extinção, mas algumas espécies estão hoje ameaçadas. Falamos dos mais antigos insectos voadores, as libélulas. O biólogo Jorge Nunes revela as curiosidades destas relíquias do passado, quase desconhecidas em Portugal.

Em matéria de records, as libélulas não estão unicamente entre os insectos voadores mais antigos, também conquistaram o título dos maiores insectos voadores de todos os tempos. Esse feito notável foi alcançado pela espécie Meganeura monyi, que viveu no período Carbonífero (há aproximadamente 300 milhões de anos) e atingiu setenta e cinco centímetros de envergadura (tamanho equivalente às asas distendidas de um pombo-torcaz em voo). Terão sido estas dimensões descomunais, que rivalizam com as dos filmes de ficção científica, que levaram a que fossem apelidadas de “dragões voadores”.

O gigantismo de alguns insectos pré-históricos, entre os quais as libélulas, ainda hoje continua a apaixonar muitos paleo-entomólogos, que não encontraram uma justificação totalmente satisfatória para o crescimento desmesurado desses artrópodes. Um dos problemas, que necessita de explicação cabal e que continua a alimentar controvérsias no seio da comunidade científica, é saber como o modesto sistema respiratório traqueal conseguia abastecer de oxigénio todas as células dos seus corpos gigantes.

Como a atmosfera terrestre possui actualmente menor quantidade de oxigénio, não corremos o risco de viver a experiência arrepiante de ser sobrevoados por um desses ruidosos monstros aéreos. Logo, não é de estranhar que a maior libélula actual, a Megaloprepus coerulatus, nativa da América Central, não vá além de uns modestos doze centímetros de comprimento e dezanove de envergadura. Longe das dimensões das suas congéneres extintas, destaca-se, todavia, das mais pequenas do mundo, incluídas no género Agriocnemis, e que atingem no máximo dezoito milímetros de envergadura. A Anax imperator, com onze centímetros de envergadura, é uma das maiores que ocorrem em Portugal, e os exemplares do género Coenagrion, com os seus três a quatro centímetros, contam-se entre as mais diminutas.

Acrobatas aéreos
A maior parte da vida das libélulas adultas desenrola-se no ar. Apesar de a sua morfologia apresentar numerosas características pré-históricas, são os insectos com o aparelho de voo mais perfeito. As suas asas são atravessadas por numerosas nervuras longitudinais que formam uma rede com as abundantes nervuras transversais, o que lhes permite suportar grandes pressões longitudinais sem se dobrarem. Como a enervação alar difere consoante as espécies, esta é uma característica morfológica extremamente útil na sua identificação.

Em voo, podem atingir os 30 quilómetros por hora, e tanto se deixam levar pelo vento sem bater as asas como efectuam manobras aéreas extremamente complicadas. Algumas espécies conseguem mesmo voar para trás. Esta habilidade deve-se ao facto de os dois pares de asas se movimentarem independentemente um do outro e de cada asa poder mover-se isoladamente. Por tudo isto, as libélulas têm servido de inspiração e modelo a muitos dos mecanismos de voo utilizados nas mais recentes invenções relacionadas com as extraordinárias máquinas voadoras de alta tecnologia.

As libélulas adultas ostentam colorações admiráveis, que vão desde o vermelho ao verde, passando pelo amarelo, o castanho ou o azul-metalizado. No entanto, as suas cores brilhantes desaparecem depois da morte. Por isso, não são muito procuradas pelos coleccionadores de insectos, contrariamente ao que sucede com as borboletas, que mantêm as suas belas tonalidades mesmo depois de mortas.

Porém, e ao contrário do que poderíamos pensar, as cores das libélulas não servem apenas para nos deleitarmos com a sua beleza. Desempenham múltiplas funções na sua sobrevivência, incluindo a detecção e a identificação dos parceiros sexuais, a camuflagem do corpo em função do meio e a manutenção da temperatura corporal através da filtragem dos raios ultravioletas da luz solar.

Temíveis dentro e fora de água
As libélulas são animais com um ciclo biológico complexo, tendo os adultos uma vida terrestre e capacidade de voo e as larvas uma longa existência aquática. As semelhanças entre ambas são muito subtis, fazendo lembrar as histórias infantis da bela e do monstro ou do patinho feio.

As diferenças entre as espécies fósseis já extintas e as actuais, se exceptuarmos o tamanho descomunal das primeiras, são muito poucas. Isto mesmo pode confirmar-se através da análise do registo fóssil e parece indicar uma excelente adaptabilidade das libélulas, que se mantiveram mais ou menos inalteradas ao longo de muitos milhões de anos.

Como acontecia no passado remoto, continuam a ser predadoras temíveis. Caçam essencialmente durante o voo, retendo as presas com as patas colocadas em forma de cesto. Possuem um aparelho bucal triturador onde se destaca um par de possantes mandíbulas que lhes permitem agarrar e morder fortemente as presas, especialmente insectos voadores de que se alimentam. Os espécimes de maiores dimensões podem mesmo infligir dolorosas mordeduras aos humanos caso sejam agarrados com as mãos desprotegidas.

Não se pense, contudo, que o aspecto agressivo e os instintos predatórios são exclusivos dos adultos, pois as larvas aquáticas são caçadoras ainda mais terríveis. São carnívoras oportunistas, apresentando uma dieta alimentar muito variada, que inclui quase tudo o que se mexa nas suas imediações, desde vermes a caracóis, girinos, outros insectos, peixes e até pequenos anfíbios.

A estratégia de caça que usam é muito peculiar. Começam por se camuflar no ambiente e ficam totalmente imóveis aguardando a aproximação das vítimas. Depois, avançam suavemente até que aquelas fiquem ao seu alcance. Quando tal acontece, projectam de forma repentina, em apenas 25 milionésimos de segundo, a sua “máscara” (um lábio modificado semelhante a uma pinça articulada com um comprimento idêntico ao do seu próprio corpo) provida de ganchos terminais que agarram firmemente a presa. O sucesso desta técnica, que depende de uma correcta determinação da distância a que se encontra a “refeição”, resulta de possuírem uma apuradíssima visão estereoscópica e uma espantosa rapidez de movimentos.

Nos locais de acasalamento e postura, especialmente durante a Primavera e o início do Verão, os machos caçam intensamente para recuperar o enorme dispêndio energético com as paradas nupciais e o cortejamento das fêmeas. Perscrutam incessantemente os seus territórios, constituindo verdadeiras ameaças para tudo o que se movimente sobre o espelho de água. Entretanto, debaixo de água, no leito dos lagos e ribeiros, as larvas emboscadas estão sempre atentas à aproximação de uma incauta vítima.

Devido ao elevado número de insectos que capturam ao longo das suas vidas, muitos considerados pragas agrícolas, as libélulas prestam um importante serviço ao equilíbrio dos ecossistemas e aos agricultores. O seu apetite é de tal forma insaciável que em situações especiais podem recorrer ao canibalismo, alimentando-se mesmo de indivíduos da própria espécie. Esta tem sido uma prática observada sobretudo em algumas fêmeas que demonstram um apetite desmesurado devido ao facto de a postura dos ovos ser uma tarefa muito fatigante.

Mensageiras do Diabo
Desde tempos remotos que as libélulas foram vistas como animais pouco desejáveis e conotadas com origens diabólicas. Os missionários cristãos consideravam-nas seres malfeitores, o que levou a apelidá-las de “cavalinhos-do-diabo”, designação ainda hoje usada pelos vizinhos espanhóis, ou de “dragões voadores”, como lhe continuam a chamar os ingleses.

Em Portugal, consoante a região, receberam diferentes nomes populares: “tira-olhos”, porventura devido ao seu aspecto ameaçador; “helicópteros”, certamente aludindo ao movimento rápido e sonoro das suas asas e à sua capacidade de permanecerem paradas no ar; “lavadeiras”, “corta-águas” e “bate-cus”, devido ao modo como as fêmeas depositam os ovos, mergulhando as caudas repetidamente na água; “gaiteiros”, pela suposta semelhança com as gaitas-de-foles; e “libelinhas” e “donzelinhas”, possivelmente devido à elegância e fragilidade das espécies mais pequenas.

Todas as libélulas estão incluídas na ordem dos Odonatos (palavra de origem grega que significa “dentes” e que terá sido usada devido às fortes mandíbulas destes insectos). Quanto ao termo “libélula”, ainda hoje está envolto em polémica. Poderá ter tido duas origens etimológicas distintas: do latim libellus, que significa “pequeno livro”, aludindo ao facto de as asas das pequenas libélulas se manterem fechadas como as páginas de um livro quando estão pousadas (pertencem à subordem dos zigópteros); ou libella, que significa “na horizontal”, lembrando a posição em que as libélulas de maior tamanho colocam as suas asas quando estão em repouso (correspondem à subordem dos anisópteros).

Os zigópteros são geralmente de pequeno tamanho e de aspecto inconfundível. A sua cabeça, em forma de haltere, está colocada transversalmente ao corpo e o seu abdómen é cilíndrico e fino. Outra característica que permite identificá-los é o facto de as quatro asas serem sensivelmente iguais e ficarem juntas, na vertical, quando os indivíduos estão em repouso.

Os anisópteros, também designados “grandes libélulas”, apresentam as asas posteriores mais largas na base do que as anteriores e mantêm-nas abertas quando estão pousadas. Os enormes olhos tocam-se geralmente no cimo da cabeça, que é grande e quase hemisférica, ainda que em algumas espécies deste grupo surjam nitidamente separados. A forma do abdómen é muito variável, apresentando um aspecto longo e cilíndrico, sendo, todavia, mais largo do que o dos zigópteros.

A cabeça das libélulas é ocupada maioritariamente pelos olhos compostos, que compreen­dem dez a trinta mil omatídeos (unidades fotorreceptoras dispostas hexagonalmente, cada uma ligada a um nervo óptico autónomo). Por esta razão, têm um grande campo visual e percepcionam o mundo que as rodeia através de imagens em mosaico. Apresentam uma visão excepcional, tendo sido referidos casos em que algumas libélulas conseguiram reconhecer os seus congéneres a uma distância superior a quarenta metros.

Nos olhos, as facetas superiores servem para a visão distante, enquanto as inferiores estão destinadas a uma visão mais próxima. O cimo da cabeça apresenta três pequenos ocelos (órgãos oculares simples), para avaliar apenas a intensidade luminosa, não tendo intervenção directa na formação da imagem visual.

As antenas são curtas e inserem-se geralmente um pouco atrás dos ocelos. Desempenham um importante papel sensitivo, pois ajudam o animal a determinar a velocidade de voo, de acordo com a deformação provocada pela resistência que oferecem à passagem do ar.

Rituais de acasalamento
As lutas entre machos pelo domínio do território e pelas fêmeas são relativamente comuns. No entanto, algumas espécies exibem combates rituais que permitem apurar o vencedor e o vencido sem necessidade de qualquer contacto físico.

Embora as situações de conflito entre machos originem curiosos repertórios comportamentais, são, contudo, as paradas nupciais que mais têm atraído a atenção dos cientistas. Durante o acasalamento, os machos seguram com as pinças caudais as cabeças das suas companheiras, realizando estranhos bailados com elas suspensas e criando curiosas estruturas voadoras que parecem querer desafiar todas as regras da aerodinâmica.

A cópula, que consiste no acto de transferência de esperma do macho para a fêmea, também ocorre numa estranha posição em que os parceiros formam com os seus abdómenes um “coração copulatório”, assim designado porque faz lembrar um coração ligeiramente assimétrico.

A deposição dos ovos ocorre de dois modos diferentes, consoante as espécies: um, mais primitivo, em que os ovos são injectados pela fêmea no interior de algumas plantas aquáticas; e outro, mais evoluído, em que são depositados na água ou bem acomodados sobre substratos no fundo de charcos e ribeiros.

A eclosão dos ovos, com o nascimento das larvas aquáticas, pode demorar desde uma semana até vários meses, variando este período também de espécie para espécie.

As larvas de todas as libélulas, tirando apenas algumas tropicais, crescem obrigatoriamente em ambiente aquático. Para o seu desenvolvimento decorrer com normalidade, apresentam necessidades específicas no que diz respeito à qualidade da água (nomeadamente no que se refere ao pH, à concentração de sais minerais e ao teor de oxigénio dissolvido) e à disponibilidade de plantas aquáticas. As fêmeas precisam de ter todos estes factores ambientais em consideração aquando da escolha do local de postura, de modo a garantirem as melhores condições para as suas proles.

Consoante os requisitos ecológicos específicos, as espécies presentes numa determinada zona húmida serão distintas. Algumas optarão por ambientes lóticos (de águas rápidas e oxigenadas) outras por lênticos (de águas calmas ou paradas); umas escolherão locais com esparsas plantas aquáticas, enquanto outras procurarão fartas coberturas vegetais.

Durante o seu processo de desenvolvimento e crescimento, as libélulas passam por até vinte estádios larvares, correspondentes a igual número de mudas do esqueleto externo. Nas espécies de maiores dimensões, as larvas podem atingir um comprimento de cinco a seis centímetros. Houve quem afirmasse que, se as larvas de libélulas tivessem dimensões semelhantes às de um pequeno cão, seriam, com toda a certeza, os animais mais terríveis de água doce. Atendendo à eficácia do seu sistema de caça e aos seus instintos predatórios, caso pudessem atingir tais dimensões seria decerto muito arriscado ir a banhos nas praias fluviais.

Algumas espécies podem viver no estado larvar durante mais de seis anos, sendo a duração dessa vida aquática fortemente condicionada por vários factores, como a abundância de alimento e a temperatura ambiente, entre outros.

Quando se aproxima o grande momento da metamorfose, da transformação do monstro em bela, as larvas deixam a água e sobem pela vegetação. Penduradas nas plantas, aguardam, pacientemente, as modificações necessárias à libertação dos adultos. Ao emergirem, deixam atrás de si os invólucros quitinosos, conhecidos por “exúvias”, onde se abrigaram no decurso das suas vidas aquáticas.

Os exoesqueletos, aparentemente insignificantes, são, no entanto, um precioso manancial de informações para os cientistas. A partir deles, podem identificar-se as espécies, conhecer a sua distribuição geográfica e requisitos ecológicos, saber a dinâmica populacional e até retirar amostras de ADN que poderão permitir ver, entre outras coisas, a variabilidade genética das populações.

Relíquias a preservar
Conhecem-se cerca de 5680 espécies de libélulas em todo o mundo. Destas, vivem 138 na Europa, das quais 65 ocorrem em território português (64 no continente, seis na Madeira e quatro nos Açores, num total de 41 anisópteros e 24 zigópteros). Apesar de a primeira referência às libélulas de Portugal datar de 1797, publicada por Dominicus Vandelli no primeiro volume das Memórias da Academia Real das Sciencias de Lisboa, e de o nosso país apresentar um número considerável de espécies, sabia-se muito pouco sobre estes admiráveis insectos até ao início do século XXI.

Os esporádicos trabalhos, realizados essencialmente nas duas últimas décadas, por naturalistas estrangeiros (que aproveitavam os períodos de férias para explorar algumas zonas turísticas) e por investigadores nacionais (que se dedicaram a regiões muito circunscritas, como as áreas protegidas), permitiam apenas uma imagem muito desfocada da realidade portuguesa. Este desconhecimento da biologia e da distribuição geográfica das espécies impediu que tivessem sido implementadas medidas de monitorização e conservação, tanto dos habitats como de algumas espécies consideradas internacionalmente ameaçadas.

Ainda em 2005, Sónia Ferreira, do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO) da Universidade do Porto, denunciava esta preocupante situação: “A fauna de Odonata de Portugal é uma das menos estudadas da Europa, sendo este facto surpreendente se tivermos em consideração que o país de situa na Península Ibérica, um ‘hot spot’ entre a Fauna Paleártica ocidental e Paleotropical.” Felizmente, o cenário parece estar a inverter-se.

O “estudo deste grupo conheceu um avanço significativo graças à publicação de uma bibliografia anotada e de um catálogo crítico de espécies”, refere a investigadora, que organizou, em Julho de 2010, o primeiro Congresso Europeu de Odonatologia. Esse simpósio foi o primeiro passo para a criação de uma rede europeia que visa recolher e partilhar informação sobre esta temática.

Apesar das lacunas que se verificam em relação ao conhecimento científico da odonatofauna lusitana, “as perspectivas relativamente ao desenvolvimento do conhecimento e da conservação dos odonatos em Portugal são francamente animadoras”, admite a investigadora do CIBIO. Além disso, o “nosso país vai ter uma participação activa na elaboração do Atlas Europeu de Odonata”, acrescenta.

As libélulas começam, finalmente, a ter a atenção da comunidade científica. E os conhecimentos nunca serão demais, se considerarmos que em Portugal ocorrem pelo menos quatro espécies (Macromia splendens, Oxygastra curtisii, Coenagrion mercuriale e Gomphus graslinii) consideradas ameaçadas e que constam da Lista Vermelha das Libélulas Europeias, estando abrangidas pela Convenção de Berna e pela Directiva Habitat.

A intensificação dos trabalhos de campo com um maior esforço de amostragem poderá ainda ajudar a colmatar lacunas ancestrais no inventário das espécies. Isso mesmo pôde constatar Sónia Ferreira, quando realizou prospecções no Parque Natural de Montesinho e deu de caras com a libelinha Lestes sponsa, uma nova espécie para a lista (cada vez mais credível e em actualização permanente) das libélulas de Portugal.

Biomarcadores Optimal
Estes insectos são óptimos bioindicadores da qualidade dos habitats. “Um local onde exista apenas uma ou duas espécies de libélulas não é, com toda a certeza, um habitat bem preservado”, diz Sónia Ferreira. Estas palavras ganham ainda maior relevância se considerarmos que se tem verificado uma importante regressão das populações de libélulas ao longo dos últimos anos, em quase todos os recantos do mundo. Aqui mesmo, no velho continente, segundo a Lista Vermelha das Libélulas Europeias, apenas metade das espécies tem populações estáveis e cerca de um quarto está em declínio. Embora se conheçam numerosos inimigos naturais das libélulas, uma vez que estas fazem parte da dieta alimentar de inúmeros animais, a culpa não parece ser imputável aos seus predadores, mas ao próprio homem. A maioria encontra-se ameaçada, dado que são muito sensíveis às modificações que ocorrem nos seus habitats.

Os principais factores de ameaça têm sido a deterioração da qualidade da água (meio essencial ao desenvolvimento larvar), devido à poluição agrícola, industrial e urbana; as alterações nos cursos de água, com construção de barragens e de canais de irrigação, artificialização das margens e entubamento dos leitos (muitas das espécies em perigo estão associadas a ambientes de água corrente); a diminuição dos lençóis freáticos superficiais, devido à drenagem dos pântanos e lagoas; a utilização de pesticidas; o abandono das práticas agrícolas tradicionais e a sobrecarga de fertilizantes, que contribuem para a eutrofização dos ambientes aquáticos; e a apanha de exemplares para coleccionismo (embora, sobre esta prática, não existam dados disponíveis para Portugal).

Como principais medidas de conservação, podem apontar-se a diminuição dos factores de risco já referidos, que passam pela recuperação e conservação dos habitats, evitando a poluição das águas e a utilização de pesticidas em zonas consideradas críticas (especialmente, no que se refere a espécies com uma limitada distribuição geográfica), e pela protecção da vegetação ribeirinha, quer aquática quer das margens, de modo a manter a estabilidade das cadeias alimentares em que estas espécies se inserem.

Qualquer medida de conservação, porém, só poderá ser implementada com sucesso se for antecedida por um estudo exaustivo da biologia e distribuição das espécies e dos seus habitats. Sem conhecer as necessidades de cada uma das espécies e dos seus diferentes estádios de vida, não será possível desenhar e desenvolver políticas de preservação eficazes, que permitam manter viáveis as populações.

Embora algumas espécies protegidas de libélulas constem da Directiva Europeia dos Habitats, estes insectos continuam a ser esquecidos em muitos estudos de impacto ambiental. E, “às vezes, bastariam pequenas medidas mitigadoras, sem grandes custos económicos, para fazer toda a diferença na sua protecção”, lembra Sónia Ferreira.

Face à inexistência de um Livro Vermelho de Invertebrados de Portugal, com explicitação do estatuto de ameaça deste vasto grupo faunístico, a grande dúvida é saber se a incrível resistência que permitiu a estes vetustos insectos sobreviverem na Terra desde tempos longínquos continuará a protegê-los de um destino que se afigura pouco risonho.

JN
SUPER 155 - Março 2011


terça-feira, 17 de março de 2015

Madagáscar precisa de três anos para vencer praga de gafanhotos



Três anos e cerca de 33 milhões de euros serão necessários para que Madagáscar consiga vencer uma devastadora praga de gafanhotos que está a afectar o país.

O alerta é da organização das Nações Unidas para a alimentação e agricultura (FAO, na sigla em inglês), que diz que a segurança alimentar de 13 milhões de pessoas está em risco.

No final do ano passado, o Governo do país já tinha lançado um alerta e pedido auxílio técnico à FAO. A situação degradou-se depois do ciclone Haruna, que atingiu Madagáscar em Fevereiro. Além dos danos em si, o ciclone deixou zonas alagadas, proporcionando boas condições para a reprodução dos gafanhotos, que se espalharam pelo país em densos enxames.

Se nada for feito, segundo a FAO, dois terços do país poderão ser afectados pela praga, com consequências dramáticas sobretudo na Região Sudoeste, onde 80% da população vive abaixo do limiar da pobreza. “Dependendo do seu tamanho e densidade, uma enxame de gafanhotos pode consumir até 100.000 toneladas por dia de vegetação, incluindo culturas agrícolas”, lembra a FAO, num comunicado.

Serão necessárias três campanhas anuais para controlar a situação, com a aplicação de insecticidas e outras medidas de controlo. A primeira deverá começar já a partir de Setembro, com o tratamento de 1,5 milhões de hectares.

http://www.publico.pt

domingo, 15 de março de 2015

Descobertas três novas espécies de Lampreia que só ocorrem em Portugal


Uma equipa formada por cientistas de diferentes unidades de investigação portuguesas descobriu três novas espécies de lampreia que apenas ocorrem em Portugal. A sua descrição vai ser, a breve prazo, publicada na revista Contributions to Zoology.

Às novas lampreias foram dados nomes alusivos às áreas onde ocorrem: a lampreia da Costa de Prata (Lampetra alavariensis) habita apenas (é endémica) das bacias hidrográficas do Esmoriz e Vouga; a lampreia do Sado (Lampetra lusitanica) ocorre somente na rede hidrográfica do Sado; e a lampreia do Nabão (Lampetra auremensis) está presente apenas na sub-bacia do rio Nabão, afluente da margem direita do rio Tejo.

Os autores do trabalho, que foi desenvolvido no âmbito do projeto de doutoramento de Catarina Mateus, coautora do artigo prestes a ser publicado, determinaram que as novas espécies, para além de ocorrerem de forma localizada, têm áreas de distribuição fragmentadas e populações muito reduzidas, o que justifica a sua inclusão na categoria máxima de ameaça -  “Criticamente Em Perigo”  - do Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal.

Na Península Ibérica já se sabia existirem três outras espécies de lampreia: a lampreia-marinha (Petromyzon marinus), a lampreia-de-riacho (Lampetra planeri) e a lampreia-de-rio (Lampetra fluvialis). Todas as três espécies ocorrem de forma extensa na Europa mas, na Península Ibérica apenas a primeira espécie tem uma distribuição pouco restrira por Portugal e Espanha, já que a segunda espécie está concentrada, sobretudo, em território nacional e a terceira, foi já declarada extinta em Espanha, podendo ser encontranda apenas no troço inferior dos rios Tejo e Sorraia.

A descoberta das novas espécies endémicas e do seu precário estado de conservação resultam assim, na prática, num aumento da responsabilidade de Portugal no que diz respeito à conservação do grupo das lampreias – a família Petromizontidae.

Na investigação participaram também Pedro Raposo, da Universidade de Évora, Judite Alves, investigadora do Museu Nacional de História Natural e da Ciência/Centro de Biologia Ambiental e Bernardo Quintela, do Centro de Oceanografia/Departamento de Biologia Animal – Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. O trabalho foi financiado pelo Fundo EDP Biodiversidade e pela FCT, tendo o Fluviário de Mora prestado apoio logístico.

Fonte: Filipa Alves/www.ueline.uevora.pt

sexta-feira, 13 de março de 2015

Sindicato tenta suspender concurso para vinculação de 1543 professores


O Sindicato de Professores da Zona Centro (SPZC) anunciou nesta sexta-feira que no início da próxima semana vai interpor no Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra (TAFC) uma providência cautelar, com o objectivo de suspender o concurso externo que está a decorrer e que poderá garantir a entrada nos quadros do Ministério da Educação e Ciência de 1453 professores. Segundo o presidente do SPZC, José Ricardo Nunes, o seu objectivo é, na sequência de uma eventual decisão favorável do TAFC, interpor uma acção principal reclamando vinculação de todos os professores que já cumpriram, no passado, as condições impostas no actual diploma do concurso – “ São uns bons milhares, aqueles que têm direito a entrar nos quadros”, calcula.

O concurso externo, que está em fase de candidaturas, prevê a aplicação, pela primeira-vez, daquilo a que o Ministério da Educação e Ciência (MEC) chama a “norma-travão”. Uma medida que torna semi-automática (na medida em que depende de um concurso para colocação nas escolas) a vinculação dos professores com cinco contratos sucessivos ou quatro renovações, com horário completo e anual, no mesmo grupo de recrutamento.

O SPZC vai argumentar, na providência cautelar, que o MEC está a “a ferir o princípio da igualdade” ao limitar a possibilidade de concorrer em 1.ª prioridade aos docentes que reuniram aquelas condições entre os anos lectivos de 2010/2011 a 2014/2015. Questionará, também, a interpretação que o MEC faz da legislação, que estabelece que a norma é aplicada “em 31 de agosto de 2015 aos docentes que nessa data completem” os limites de renovações estabelecidos.  Na sua perspectiva, explica o dirigente sindical, a lei abrange todos os que até essa data cumpram as condições referidas.  

“Se a norma fora aplicada tal como o MEC pretende, milhares de professores, alguns com uma dezena ou mais de anos de serviço, com contratos anuais, completos e sucessivos, no mesmo grupo de recrutamento, serão ultrapassados, só porque, por qualquer razão, viram os seus contratos interrompidos nalgum momento dos últimos cinco anos”, afirmou José Ricardo Nunes. 

Apesar de poder implicar a suspensão do concurso externo, a medida foi saudada por César Israel Paulo, dirigente da Associação Nacional dos Professores Contratados (ANPVC), que em declarações ao PÚBLICO afirmou que a revindicação do SPZC "é da mais elementar justiça". 

Nem todos mostraram tanto entusiasmo. Embora o SPZC pertença à Federação Nacional de Educação (FNE), a acção é individual. “Cada sindicato é livre de fazer o que bem entender”, comentou, quando contactado pelo PÚBLICO, João Dias da Silva, dirigente daquela organização, que não quis dizer se aprova ou não a decisão daquele sindicato de professores do Centro.

Tanto a ANVPC, como a FNE e a Federação Nacional de Professores  (Fenprof) recorreram aos tribunais, através dos respectivos sindicatos, para reclamar o cumprimento da Directiva da Comissão Europeia de 1999 ,que visou pôr termo ao abuso do recurso a sucessivos contratos a termo. Nas acções, que ainda decorrem, reclamam a vinculação de todos os docentes que desde 2001 (ano limite para a transposição da directiva para a legislação nacional) celebraram três ou mais contratos sucessivos com o Estado português, independentemente do respectivo grupo de recrutamento.

A legislação que está no centro da polémica tem um ano, mas muitos professores parecem ter dado conta dela e das suas consequências nas últimas semanas. Nos grupos de docentes do facebook, muitos mostram-se indignados com as ultrapassagens de de colegas com menos graduação profissional. Alguns falam em juntar-se às 15h deste sábado, junto ao MEC, para uma acção de protesto.

Noticia retirada daqui

quinta-feira, 5 de março de 2015

X Congresso Nacional Cientistas em Ação


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos